Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

The Booklovers

Escritores. Um projecto fotográfico de Fernando Dinis

The Booklovers

Escritores. Um projecto fotográfico de Fernando Dinis

Hugo Gonçalves

DSC_1991_baixa.jpg

DSC_1996_baixa.jpg

DSC_1974.jpg

DSC_1979_baixa.jpg

 

DSC_2016_baixa.jpg

Nasceu em Sintra, Portugal, a 9 de julho de 1976. Estudou Comunicação Social no ISCSP e estreou-se como jornalista integrando a equipa fundadora da revista Focus. Em 2000 recebeu o Prémio Revelação do Clube Português de Imprensa, com a reportagem "Esto es el fin del mundo", sobre as cheias na Venezuela, em dezembro de 1999.

Morou e foi correspondente de várias publicações portuguesas em Nova Iorque, Madrid e Rio de Janeiro como editor da Língua Geral, editora carioca.

Autor dos romances "O Maior espectáculo do mundo" (2004), "O Coração dos homens" (2006), "Enquanto Lisboa arde o Rio de Janeiro pega fogo" (2013) e o livro de crónicas e mini-ficções "Fado, samba e beijo com língua" (2011).

Ao longo da sua carreira, escreveu reportagens e crónicas para o Jornal de Notícias, Diário Económico, Diário de Notícias, jornal i, Expresso, e revista Visão, onde colaborou com a "Crónica do Rio".

Atualmente escreve ao sábado, no Diário de Notícias, a crónica "Postais dos trópicos".

 

 

 © Fernando Dinis - All rights reserved

Alice Vieira

DSC_1958_baixa.jpg

DSC_1948_baixa.jpg

DSC_1959_baixa.jpg

DSC_1952_baixa.jpg

DSC_1965baixa.jpg

Alice de Jesus Vieira Vassalo Pereira da Fonseca (Lisboa, 20 de março de 1943) é uma escritora e jornalista profissional.

Licenciou-se em Filologia Germânica pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

Dedicou-se desde cedo ao jornalismo, tendo trabalhado nos jornais Diário de Lisboa (onde, juntamente com o seu marido, o jornalista e escritor Mário Castrim, dirigiu o suplemento "Juvenil"), Diário Popular e Diário de Notícias e colaborou durante muitos anos com a revista "Ativa" e o "Jornal de Notícias"

Atualmente colabora na revista Audácia, dos Missionários Combonianos.

Trabalhou em vários programas de televisão para crianças e é considerada uma das mais importantes escritoras portuguesas de literatura infanto-juvenil

As suas obras foram traduzidas para várias línguas, como o alemão, o búlgaro, o castelhano, o galego, o catalão, o francês, o húngaro, o holandês, o russo, o italiano, o chinês, o servo-croata.

 

© Fernando Dinis - All rights reserved

Raquel Ochoa

DSC_1600.jpg

DSC_1628.jpg

DSC_1652.jpg

DSC_1667.jpg

DSC_1723.jpg

Raquel Ochoa é uma escritora portuguesa. Em 2009 foi vencedora do Prémio Agustina Bessa-Luís com o romance "A Casa-Comboio", trazendo ao grande público a saga de uma família indo-portuguesa originária de Damão e a epopeia da desconhecida ou ignorada Índia Portuguesa, traduzido e publicado em Itália.

Nasceu em Lisboa em 1980. Licenciou-se em Direito.

Cronista de viagens, publica impressões sobre os vários cantos do mundo no seu blog www.omundoleseaviajar.blogspot.com, além de colaborar com diversos jornais e revistas.

Em 2008 publicou duas obras, “O Vento dos Outros” – uma crónica de viagens à América do Sul e “Bana – Uma vida a cantar Cabo Verde” , a biografia do cantor.

Em 2011 lançou a sua quarta obra, “A Infanta Rebelde”, a biografia da Infanta D. Maria Adelaide de Bragança, condecorada pelo Presidente da República com a Ordem de Mérito Civil.

O seu segundo romance, "Sem Fim à Vista - a viagem" chegou a público em Setembro de 2012. Relata a aventura de um personagem com graves problemas cardíacos em viagem por Singapura, Malásia, Indonésia, Austrália, Nova Zelândia, Hong Kong, Macau, Sri Lanka.

Em Maio de 2014 publica "Mar Humano", um romance histórico que reflecte sobre o jornalismo que se praticou e pratica em Portugal, ao mesmo tempo que junta temas tão díspares como a longevidade da vida humana e o impacto da ciência na evolução da consciência.

Em Julho de 2015 publica "As Noivas do Sultão", um romance histórico cuja narrativa se baseia em factos verídicos ocorridos em 1793 quando, arrastados por uma tempestade, chegaram a Lisboa embarcações com a família e o harém do sultão de Marrocos Mohamed III.

 

© Fernando Dinis - All rights reserved

Mário de Carvalho

DSC_1907.jpgDSC_1904.jpgDSC_1915.jpgDSC_1918.jpgDSC_1902.jpg

 

Mário de Carvalho nasceu em Lisboa em 1944. Licenciou-se em Direito e viu o serviço militar interrompido pela prisão. Desde muito cedo ligado aos meios da resistência contra o salazarismo, foi condenado a dois anos de cadeia, tendo de se exilar após cumprir a maior parte da pena. Depois da Revolução dos Cravos, em que se envolveu intensamente, exerceu advocacia em Lisboa. O seu primeiro livro, Contos da Sétima Esfera, causou surpresa pelo inesperado da abordagem ficcional e pela peculiar atmosfera, entre o maravilhoso e o fantástico.
Desde então, tem praticado diversos géneros literários - romance, novela, conto e teatro -, percorrendo várias épocas e ambientes. Utiliza uma multiforme mudança de registos, que tanto pode moldar uma narrativa histórica como um romance de actualidade; um tema dolente e sombrio como uma sátira viva e certeira; uma escrita cadenciada e medida como a pulsão duma prosa endiabrada e surpreendente.
Nas diversas modalidades de Romance, Conto e Teatro, foram atribuídos a Mário de Carvalho os prémios literários portugueses mais prestigiados (designadamente os Grandes Prémios de Romance, Conto e Teatro da APE, o prémio do Pen Clube e o prémio internacional Pégaso). Os seus livros encontram-se traduzidos em várias línguas.
Obras como Os Alferes, A Inaudita Guerra da Avenida Gago Coutinho, Um Deus Passeando pela Brisa da Tarde, O Varandim seguido de Ocaso em Carvangel ou A Liberdade de Pátio são a comprovação dessa extrema versatilidade.

 

© Fernando Dinis - All rights reserved